Pequena Flor de Laranjeira

Pequenas crônicas, pequenos contos. Textos semanais. Por Adriana Taets.

Paralelepípedo

Cadê seus sapatos? Foi a primeira coisa que me disse um namorado assim que chegou na faculdade e me viu descalça. Eles apertam o meu pé, eu respondi. E saí, em direção ao banheiro. Ele se enfureceu. Você vai ao banheiro sem sapatos? Ué, e por que não? Porque o banheiro é sujo, oras. Foi o que ele me respondeu, e respondendo, se colocou na porta do banheiro e proibiu que eu me aliviasse da grande vontade de fazer xixi. Não lembro bem se cheguei a calçar os sapatos, se fui ao banheiro, se briguei com o namorado. Lembro que ele não era capaz de entender a minha necessidade de colocar os pés no chão.

Na escola já era assim, eu descalça, na hora do recreio, pisando na grama, no cimento, na terra de chão. Meus amigos me escondiam os sapatos, e lá ia eu, descalça corredor a fora, até chegar na sala de aula e ver a professora com os olhos fixos nos meus pés. Esconderam, professsora. Era o que eu dizia. Mas não dizia que esconderam porque eu os deixei em qualquer canto, à mercê de qualquer um mais mal intencionado.

Meias e sapatos sempre me causaram desconforto. O pé suado, apertado, querendo tocar o chão, sentir o calor da terra, o molhado da grama, a lama entrando pelo vão dos dedos. E quem se atreve a andar descalço na rua? É como andar pelado, todos olham, estranham, indicam com os olhos que é preciso tomar cuidado. Sabe como é, caco de vidro, prego enferrujado, cocô de cachorro, mau olhado. Bem vestida e descalça? Não tem bolha no pé que justifique, nem frieira nem coceira que permita, só pode ser pinéu.

E se é assim mesmo, se os pés descalços apontam para o corpo nu, é só no Carnaval que se permite andar pela avenida com os pés livres de qualquer amarra, de qualquer instituição. E foi assim que fui feliz nesse carnaval: os pés descalços tocando pela primeira vez os paralelepípedos da ladeira de Brazópolis, quando eu me sentia numa ligação profundamente íntima com a cidade que mais amor me causa, onde melhor me encontro, onde me sinto em casa.

Os pés livres, tocando o chão da minha terra, me comunicavam, mais uma vez, que é possível ser ligado a qualquer coisa ou a qualquer lugar, desde que não se tenha medo de ficar descalço dos pés e despido da alma, livres para amar uma pessoa, uma cidade ou os dias que se vive durante o carnaval.

Anúncios

No comments yet»

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: